Opinião

Paradigma Americano: a Industria do leite nunca mais será a mesma

Aprendi que, no Brasil as coisas acontecem com um pouco de atraso em relação ao mercado dos EUA, mas elas acontecem. Então, acompanhei com atenção o que se passava por lá.

Em 1970 haviam 650 mil produtores de leite nos EUA, a maioria pequenos, menos de 100 vacas. Nos anos 2000 este número já havia despencado para 130 mil e a média de vacas ordenhadas subido para 150.

Em 2017 o número de produtores total era de apenas 40 mil e quase quase todos eles com mais de 1000 vacas. Nascia um novo modelo de produzir leite, os produtores industriais ou comerciais.

Os pequenos foram vitimas de um Modelo de Negócio Ultrapassado, dos empréstimos bancários e da pressão de baixa nos preços pelos grandes atacadistas.

Novo Paradigma: Wallmart e Krogers entram no processamento de lácteos

leite a2

Estes dois gigantes do varejo americano não satisfeitos em tornarem o preço do leite mais baixo que a há dez anos atrás, caindo de 3,80 dólares o galão (3,6 lts) para $3,23 este ano, decidiram instalar modernas e gigantes fábricas de processamento de lácteos em pontos diversos dos EUA. A consequência disto foi que os produtores próximos as fábricas firmaram contratos com o Wallmart e Krogers, nos termos deles e os mais distantes, receberam cartas das cooperativas, comunicando que não mais comprariam o leite deles.

Isto deixou os produtores e as próprias cooperativas sem receitas e os produtores ou encerraram as atividades ou estão vendendo as últimas vacas para os frigoríficos e se derem sorte, para algum produtor de leite para pagarem as contas.

Os produtores que recebiam $1,32 por galão gastando $1,92 e a quatro anos estavam no negativo no leite, invocaram a falência coletiva da categoria e foram aconselhados a venderem tudo o mais rápido possível.

Os Produtores Que Resistem

Produtores corajosos, com capacidade de investir, ou coragem de assumir financiamentos, estão partindo para adaptação a nova realidade. Instalando unidades de engarrafamento e o pior, querendo fazer aquilo que nunca se fez na produção do leite. Vendê-lo para restaurantes, pequenos varejistas ou até para o consumidor final como acontece na Alemanha e Inglaterra.

Pessoalmente acho uma estratégia suicida. Leite é perecível ou você vende ou perde a produção. Americano não bebe este leite UHT que, não é exatamente leite, o preferido dos brasileiros. O leite americano vem em galões de plástico e dura no máximo uns 6 dias, um processo chamado HTST, intermediário entre o “leite de saquinho” e o UHT. Acho que é para incentivar o consumidor a consumir. Aqui o brasileiro deixa o UHT dias e dias (não pode) na geladeira e os laticínios adoram pois, podem produzir e estocar na baixa e vender quando os preços forem às alturas. Lucro certo às custas do produtor.

leite

No Canadá Acontece o Oposto que nos EUA

Os produtores Canadenses vivem numa boa, com o sistema de cotas definido pelo governo , barreiras a importação e um órgão regulador da atividade que tem a participação inclusive de produtores cabendo a ele a decisão dos preços, das cotas de produção e mesmo taxação das importações.

Trump está furioso mas a simples imposição de barreiras a importação Canadense vai destruir os produtores do vizinho e em nada mudar no mercado dos EUA, já consolidado com produtores industriais, verdadeiras empresas com acionistas. Uma informação: o custo de se produzir leite no Canadá é um dos mais altos do mundo. Acho que o leite é estratégico para o país manter ocupado os campos gelados dos país. Subsídios bem camuflados na exportação. O consumidor Canadense paga caro no leite mas, tudo bem a atividade e importantíssima para o pais.

Argentina e Uruguai são o nosso Canadá. Eles exportam a vontade mas como não têm mercado consumidor não importam nada do Brasil e quem paga o pato somos nós produtores.

Até que as possibilidades do leite sejam compreendidas pelo governo e mesmo produtores a unica opção que resta ao produtor é, baixar seus custos de produção e crescer. E isto não é nada fácil.

Os americanos apesar de reduzirem os produtores a míseros 40 mil estão produzindo mais leite que nunca mas foram, digamos, ludibriados por um secretário do Governo Nixon que os incentivou a produzirem ou desaparecerem, com vãs promessas de exportações que ficaram nas promessas.

Você pode conferir nossa seção destinada a pecuária de leite, com diversas matérias publicadas, acessando o link abaixo. Boa leitura!

Por: Rogério Rufino – Fazenda Veredas

Etiquetas
Continuar lendo

Um Comentário

  1. Nossa que maldade dos americanos querem baixar ainda mais o preço do leite, que absurdo!!! Imagina os pobres podendo comprar leite pasteurizado, isso é um absurdo, pobre tem que comprar leite do zé, aquele cheio de qualidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar