Notícias

O antidumping do Leite Europeu expõe um problema ainda maior

Será que este foi um sinal de divergência entre as pastas da Agricultura e Economia? como avaliar toda a situação que envolve a decisão tomada pelo Ministro Paulo Guedes? acompanhe…

Após o Ministério da Economia decidir não renovar a cobrança tarifária antidumping sobre a importação de leite em pó, integral ou desnatado da União Europeia e Nova Zelândia, diversas entidades e produtores rurais ligados ao setor vieram a público repudiar a decisão do Ministro Paulo Guedes. Não há concordância até mesmo entre os Ministérios e isso pode ser um sinal grave de falta de liderança da pasta da agricultura, acompanhe os fatos.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, informou nesta sexta-feira (8) que estão em estudo no governo medidas para resolver o problema provocado pela suspensão da taxa de antidumping para a importação de leite em pó, integral ou desnatado oriundo da União Europeia e da Nova Zelândia.

Uma das medidas em estudo, de acordo com a ministra, é o aumento temporário do imposto de importação do leite em pó da alíquota atual, de 28%, para cerca de 42%, com o objetivo de compensar a queda da barreira antidumping. Outra proposta em discussão é a redução dos impostos cobrados na importação de equipamentos usados pela indústria leiteira.

Foi realizada longa reunião ontem à noite com a equipe econômica do governo para estudar as medidas que possam minimizar impactos negativos para a produção nacional.

ministra mapa

Não dá para repor a taxa antidumping, pelo menos por enquanto, a não ser que a gente prove que está ocorrendo dumping na Europa e na Nova Zelândia. Então, o que podemos fazer, e estamos estudando, é aumentar a taxa de 28 para alguma coisa perto de 42, dificultando a importação. Não seria viável trazer esse leite para cá”, afirmou Tereza Cristina, em entrevista concedida esta manhã, em Cascavel (PR).

Nesta fala a própria Ministra concorda que houve um equívoco na decisão e afirma que “Não seria viável trazer este leite para cá“, mas vamos continuar analisando os fatos.

A taxa antidumping, de 14%, era renovada sucessivamente desde 2001. Com o imposto de importação, hoje de 28%, a soma chegava aos 42% citados pela ministra. O MAPA reconhece o problema e trabalha considerando a sensibilidade do setor leiteiro, de grande importância social e econômica para o Brasil. Trata-se de um dos setores mais inclusivos do agronegócio em que pequenas propriedades rurais, com área de até 50 hectares, são responsáveis por 51% do leite líquido comercializado no campo. Ao todo, cerca de 1,2 milhão de estabelecimentos rurais são dedicados à produção de leite no país. O antidumping foi, sem dúvida, eficaz e decisivo para a rentabilidade do setor e permitiu a manutenção dos produtores rurais na atividade. Antes da implementação da medida, os preços pagos aos produtores de leite estavam em queda. Com a medida, houve melhora dos valores recebidos pelos bovinocultores de leite.

Neste trecho podemos evidenciar que, sem dúvidas, o MAPA reconhece a decisão como um problema sério para o setor leiteiro e que além afetar a economicamente, também é um problema de cunho social, admitindo ser um dos setores mais inclusivos do país.

leite

O produtor de leite Brasileiro já enfrenta uma situação desanimadora com a própria legislação do setor (Lei 12.669), que favorece as empresas beneficiadoras na precificação do leite. Além disso, o cenário não é muito favorável ao pecuaristas de leite que em sua grande maioria, são produtores considerados de pequeno porte e que não tem capital suficiente para arcar com as despesas básicas da propriedade durante um período muito longo de atividade, muitos estão endividados, trabalhando para a sobrevivência, sem perspectivas de lucratividade.

Outras entidades também avaliaram a decisão como equivocada e estudam alternativas para minimizar os impactos da decisão do governo de suspender a taxa antidumping sobre o leite importado da União Europeia e Nova Zelândia, como é o caso da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). A decisão, segundo a entidade, pode trazer graves prejuízos a pequenos, médios e grandes produtores, cooperativas e pequenos laticínios. O tema será debatido na próxima terça-feira (12) na reunião semanal da FPA, em Brasília. De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), o País possui 1,170 milhão de propriedades rurais dedicadas à pecuária leiteira.

Agora preste atenção a outro sinal de alerta para situações que ainda estão por vir...

Nosso maior problema ainda está no Mercosul”, disse a ministra. “Nós também estamos discutindo o problema da importação do leite que vem via Uruguai e Argentina. Já sentamos com a Argentina, estivemos com o governo argentino, os ministros, e estamos construindo uma política juntos, para talvez abrirmos um mercado. Nós também podemos aproveitar para pedir ao governo (brasileiro) que diminua as taxas de importação de equipamentos para a produção de leite, como robôs, teteiras e outras coisas. Hoje, o setor paga 100% de impostos sobre esses equipamentos. O setor pode ganhar bastante com isso”.

Como assim??? “Nosso maior problema ainda está no Mercosul“, aqui está uma mensagem codificada nas entrelinhas. Se lembram das várias manifestações dos produtores de leite, que desencadearam diversos movimentos em todo o Brasil para esclarecer sobre a importação de leite Uruguaio e Argentino?, pois é, com esta afirmação a Ministra adverte que esta situação pode continuar por mais tempo. Agora imaginem que além da queda do antidumping da União Européia e Nova Zelândia ainda teremos o fantasma da importação vinda do Mercosul, lamentável.

Como exemplo e para ampliar o entendimento do volume das negociações, vamos avaliar agora alguns números do nosso vizinho querido, a Argentina, que agradece a importação de Leite “azul e branco”.

O antidumping do Leite Europeu expõe um problema ainda maior 2

As exportações de lácteos da Argentina deram um salto de 38% em 2018 em relação ao ano anterior, para 334,4 mil toneladas e faturamento de US$ 1,008 bilhão, informou em nota a Secretaria de Governo do Agronegócio argentina. O principal motivo para o aumento dos embarques externos foi a recuperação da produção leiteira no país, que alcançou no ano passado 10,527 bilhões de litros, avanço de 4,3% em comparação com 2017.

Ao todo, 69 países adquiriram os lácteos argentinos no ano passado, com Brasil, Argélia, China e Rússia em destaque. Os principais produtos vendidos foram leite em pó integral (40% dos embarques), soro de leite (18%), queijos (17%), leite em pó desnatado (7%) e leite com fórmulas infantis (6%).

Agora além do futebol, temos uma rivalidade natural com a Argentina na produção de leite. Espero que aconteça o mesmo que acontece no esporte, nossos craques verde-amarelos deem uma lição de técnica, produtividade e competência, pois o Brasil é Show. Mas vamos guardar a nossa torcida e continuar avaliando o setor leiteiro, que esta sofrendo baixas internas com tanta escalação errada.

O MAPA reconhece, contudo, que este tipo de medida antidumping é temporária, e que é preciso trabalhar em ações para reestruturar a cadeia produtiva do país, para tornar o setor mais competitivo. Nesta manhã, também foi realizada uma reunião no Ministério da Agricultura para discutir medidas que permitam reestruturar o setor como um todo, e dar a ele melhores condições de competição no mercado internacional. A estrutura de armazenamento e escoamento da produção está sendo revista.

Vamos ter de fazer a tarefa de casa. Não vou dizer que a culpa é da cadeia produtiva, pois nosso custo de produção é muito alto”, explicou Tereza Cristina.

Observem que a narrativa da Ministra ratifica todos os pontos sentidos e reivindicados pelos produtores de leite, como: revisão da legislação vigente para o setor, desoneração dos custos de produção, melhores condições na infraestrutura de escoamento, entre outros.

A ministra lembrou que o fim da taxa antidumping começou a ser discutido pela Camex (Câmara de Comércio Exterior) ainda no governo passado. O Ministério da Agricultura ainda tentou reverter a decisão, mas não foi possível. De acordo com o secretário de Comércio e Relações Internacionais, Orlando Leite Ribeiro, o MAPA entende os motivos que levaram à decisão, publicada no Diário Oficial na última quarta-feira (6), mas considera que este não era o melhor momento para adotar a medida, porque o setor de leite, que é protegido no mundo todo, já vinha enfrentando problemas desde o meio do ano passado, devido ao fim do acordo entre privados com a Argentina relativo à importação de leite em pó.

paulo guedes reforma previdenciaria

Agora ficou sério, vamos reler este trecho:

O MAPA entende os motivos que levaram à decisão, publicada no Diário Oficial na última quarta-feira (6), mas considera que este não era o melhor momento para adotar a medida, porque o setor de leite, que é protegido no mundo todo, já vinha enfrentando problemas desde o meio do ano passado, devido ao fim do acordo entre privados com a Argentina relativo à importação de leite em pó.

Veja só, se você não captou o que esta nota quer dizer, vou tentar esclarecer de forma simplificada. Aqui nós percebemos que não concordância entre as pastas, Agricultura e Economia. E esse é motivo do nosso maior medo. Se o MAPA considera que este não era o melhor momento para tomar esta decisão, vou fazer algumas perguntas aqui, que nem eu, nem todo o setor leiteiro consegue responder:

  • Porque a Ministra Tereza Cristina não falou tudo isso que foi publicado em nota pelo próprio MAPA ao Ministro Paulo Guedes antes da suspensão do antidumping e publicação no Diário Oficial? 
  • Como percebe-se, o MAPA sabe exatamente quais os principais problemas do setor, porque não resolve imediatamente, ou pelo menos começa a resolver?
  • Porque a decisão de não renovar a tarifa antidumping da União Europeia veio do Ministério da Economia sem consultar o MAPA?
  • No acaso da União Europeia e Nova Zelândia, se há a possibilidade de aumentar o imposto sobre a importação de 28% para 42%, para compensar o efeito antidumping, isso será adotado também para a importação do Mercosul?
  • Agora a última e derradeira pergunta que não quer calar: o presidente Jair Bolsonaro, que se encontra em recuperação de saúde, sabe a realidade do setor leiteiro? as 2 lideranças, Tereza Cristina e Paulo Guedes, apresentaram ao comandante do barco os fatos de tal decisão?

Como conclusão, quero ressaltar que o maior problema ainda esta por vir, e não quero plagiar a fala da Ministra Tereza Cristina quando se referiu ao Mercosul, mas quero dizer que este problema do setor leiteiro, expôs uma falha que pode ser sistêmica e muito maior que a importação de leite. Divergências como estas podem afetar outras decisões importantes para o nosso País. Se não há convergência entre as decisões tomadas pelos assessores da presidência, no caso estamos falando dos principais Ministérios, como poderemos ter a sinergia suficiente para acreditar que qualquer decisão tomada, seja por qualquer um dos Ministérios, será para o bem comum? Como um time, que tem seu Capitão e não é consultado ou ouvido, pode marcar gols em um copa do mundo onde os adversários são mais eficientes que nós? Será que estamos diante de algo bem maior do que os nossos olhos conseguem enxergar, um inimigo secreto, invisível, que nem Freud conseguiu explicar, estaremos nós diante de uma briga de egos e vaidades entre as principais lideranças do nosso País?

Amigos, são perguntas que podem ser respondidas nos comentários desta matéria, fique a vontade para deixar a sua opinião sobre o assunto e vamos acreditar no Brasil, somos maiores que tudo isso.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS BRASIL, com informações do MAPA.

Etiquetas
Continuar lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar