Mercado Financeiro

Frango: preços registrados conforme os diferentes cortes comercializados

Em matéria a respeito dos novos padrões que o IBGE está adotando para o cálculo da inflação, publicada na última sexta-feira (18), o AviSite apontou uma inversão na representatividade que frango inteiro e frango em pedaços apresentarão em relação ao IPCA de 2020

Ou seja: enquanto no padrão estabelecido a partir do levantamento de 2009 (e que prevalece até hoje) o frango inteiro tinha um peso (0,4734% do Índice Geral) cerca de 15% superior ao dos cortes (0,4115%), agora são os cortes ( 0,6512%) que sobrepujam em quase 29% o frango inteiro (0,5051% do Índice Geral, pelo novo padrão).

A mudança, natural, apenas reflete a realidade de um mercado em que os cortes – sobretudo pela praticidade oferecida ao consumidor – passaram a dominar o comércio do produto. Ou seja: frango inteiro, hoje, tem pequena participação na comercialização.

Sob tal panorama, surge uma indagação: os abatedouros ganham muito mais operando com os cortes?

Para responder [ao menos em parte] a essa indagação o AviSite montou duas simulações – ou, mais exatamente, dois diferentes “mixes” (na realidade, pode-se estabelecer uma infinidade deles) – comparando seus preços com aqueles alcançados pelo frango inteiro.

Enquanto o Mix I alcança valor médio cerca de 15,6% superior ao do frango inteiro, o Mix II obtém perto de 4 pontos percentuais a mais, seus preços sendo 19,5% superiores aos do frango inteiro. Notar, porém, que em determinados momentos as diferenças entre os dois “mixes” praticamente desaparecem.

Fonte: Avisite

Etiquetas
Continuar lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar